sábado, 2 de março de 2013

Budgie: um dos primeiros Power Trio do Heavy Metal



Budgie é uma banda que sempre associei ao canadense Rush, a começar pela formação: um Power Trio no qual o líder é, ao mesmo tempo, baixista, cantor e com vocal esquisito

Como o Rush, tem forte influência de Led Zeppelin, além de Cream e Blue Cheer. A grande diferença é que não evoluiu tanto quanto o Rush, mantendo o estilo dentro do hard/heavy metal.

Esse grupo do país de Gales tinha tudo para ter sucesso. Embora tendo crescido muito em vendas com os primeiros trabalhos, nunca emplacou um single de sucesso, acabando por se tornar uma banda cult. Seu primeiro trabalho homônimo de 1973 poderia competir, em termos de conteúdo, com o próprio Black Sabbath. Falando nele, ambas bandas tinham como empresário na época Roger Bain. Fato curioso: Bain era um jovem empresário em busca de novas bandas para empresariar quando contratou o Budgie. Acabou comentando com eles que tinha acabado de assinar com outra banda e precisava de demos das duas. Assim que eles acabassem de gravar, seria a vez do Budgie. Curiosos para saber que banda era essa, Roger Bain revelou que era o Black Sabbath.

Budgie foi formado em 1967, na cidade galesa de Cadiff, onde 4 rapazes, John Burke Shelly (baixo, vocais), Raymond Phillips (bateria), Tony Bourge (guitarra) e Brian Goddard (guitarra), criaram uma banda chamada Hills Contemporary Grass. Depois, substituíram por Six Ton Budgie e em 1968, com a saída de Brian Goddard, reduziram para Budgie.

O sucesso de seu debute os levou a repetir a fórmula com Squawk (1972). Seguiram com um hard-rock poderoso que incluía passagens épicas que embelezavam o conjunto final. Em 1973, lançaram seu disco mais conhecido “Never Turn Your Back On a Friend”, no qual se encontra a música “Breadfan”, covernizada pelo Metallica na década de 90. Não se esqueça que este disco inclui outras pérolas como a versão “Baby, Please Don’t Go”, de Big Joe Williams, a bela balada “You Know I Always Love You” e “Ride My Nightmare”.

“In for The Kill” (1974) retrata o auge musical e comercial da banda, gravado com Pete Boot na bateria, em substituição a Phillips. Boot seria em breve substituído por Steve Williams. Em “Bandolier (1975), adquirem tons mais melódicos com grandes nuances acústicos. A partir deste disco, vieram os corretos “If I Were Britannian, I´d Waive the Rules (1976) e “Impeckable (1978). Em seguida, com a baixa do guitarrista Tony Bourge, o grupo entra em perigeu.

Com seu substituto, John Thomas, gravariam três discos bem medíocres ‘Power Supply (1980)’ ‘Nightflight (1981) e ‘Deliver Us From Evil (1982) que poria a banda de molho por muito tempo.

O Budgie acabou?
Não. Hoje, quase quatro décadas depois, Burke ainda está à frente da banda (que tem Craig Goldy na guitarra e Steve Williams na bateria), continua se apresentando pela Europa e esporadicamente lança seus discos – seu último álbum é “You´re All Living in Cuckooland”, de 2006. É bom lembrar que Burke Shelley, além da inconfundível voz aguda, foi um dos primeiros músicos de rock a dar destaque ao baixo, muito antes de Steve Harris, do Iron Maiden.


Nenhum comentário: