sexta-feira, 22 de junho de 2012

A grande estreia da banda Suede




Esqueça a esquisitice da arte da capa*. Foi feita apenas para impressionar. Era o ano de 1992 e o grunge ditava as regras do mercado, principalmente nos EUA. Mas o Suede vinha com algo bem diferente, nem era bem Britpop; pelo menos no início a imprensa taxava-os de neo-glam. Ok. A influência de David Bowie em sua fase Ziggy Stardust sobressai, juntando-se a isso os Smiths, uma pitada de Beatles e temos o Suede.
           
O primeiro disco, Suede, entrou direto no primeiro lugar, na segunda semana já tinha recebido disco de ouro, sendo a mais bem-sucedida estréia de uma banda desde Frankie Goes to Hollywood. Antes de lançar qualquer compacto, já estava na capa da Melody Maker, muito também devido às declarações de Brett Anderson à imprensa, que buscava chamar a atenção a todo custo, soltando bobagens como “um homem bissexual que nunca teve uma experiência homossexual”.

Foto original do álbum
Foto original
O auto-intitulado Suede entrou nas paradas britânicas em primeiro lugar, vendeu mais de 100.000 cópias na primeira semana. Apesar de todo hype, a banda era muito boa e não tenho dúvidas que sempre serão lembrados como uma das melhores bandas da década de 90.

A banda à época era formada pelo afetado Brett Anderson (vocal), Bernard Butler (guitarra), Mat Osman (baixo) e Simon Gilbert (bateria).
           
* A foto da capa foi tirado do livro, de 1991, Stolen Glances: Lesbians Take Photographs editado pela Tessa Boffin e Jean Fraser. Em sua totalidade mostrava uma mulher beijando um conhecido em uma cadeira de rodas.


Um comentário:

Adri disse...

Eu gosto do Suede!