quarta-feira, 18 de abril de 2012

O álbum “frio” de David Bowie – Station to Station (1976)


Hoje David Bowie é um recluso – abandonou o mundo da música (não faz shows desde 2004 e não grava desde 2003) e sua única preocupação é dedicar-se à pintura, desenho e à família. Mas houve uma época que este sujeito ditava as regras da música e não havia um ano sequer que não deixava de lançar singles e álbuns.

A ida de David Bowie aos EUA em 1975 fez com que sua fama aumentasse mundialmente. Principalmente com o lançamento do álbum Young Americans (1975) – o primeiro a estourar no mercado norte-americano -, o qual incluía seu maior sucesso até então, Fame, uma parceria com John Lennon. Com a fama mundial veio o vício da cocaína que quase o fez pirar.

Station to Station marca o início de sua obsessão pela Alemanha dos anos 1930 e de seu personagem The Thin White Duke: meio almofadinha, frio e pálido. De expressão fechada Thin White Duke criaria polêmica ao chegar a seu país natal, Inglaterra, com a famosa saudação nazista e declarações como: “Hitler foi o primeiro pop star”.


Lançado em 1976, Station to Station foi precedido pelo single Golden Years (composta originalmente para Elvis Presley gravar). O álbum é cheio de canções e arranjos refinados e complexos, onde mistura soul, funk, art-rock. TVC15 mostra o lado mais experimental que Bowie logo desenvolveria com Brian Eno na trilogia Low/Heroes/Lodger. A balada Wild is The Wind é um dos poucos momentos que ele põe emoção na voz.

O álbum só tem seis músicas e dura mais do que 40 minutos, mas é o suficiente para mostrar a grandeza do artista. Tanto o visual de The Thin White Duke quanto às canções deste álbum influenciaria o movimento New Romantic, que surgiria no final dos anos 1970. Duran Duran, Soft Cell e Japan (o visual dândi) são provas incontestáveis.



Quem viu o filme "Eu, Christiane F. 13 anos, Drogada e Prostituida, de 1981, verá David Bowie ao vivo em um show em Berlin cantando Station to Station e também TVC15 é tocada na "Sound", uma discoteca descolada da época.

Um comentário:

Mary Joe disse...

Que legal saber mais sobre David Bowie... sempre adorei esse cara, desde novinha, quando assisti "Labirinto" E olha que essa fase nem é das melhores dele, rsrsrs.

Hoje penso que o que mais gosto dele é "Life on mars" mas tudo é bom.
Taí essa música que vc pôs e é otima, mesmo sendo dessa fase fria dele.
Seu post ficou ótimo como sempre.
Beijim
Mary Joe