domingo, 2 de outubro de 2011

Zola Jesus - Conatus (2011)



“Minha música vai sempre soar Zola Jesus”

Este novo trabalho de Zola Jesus, como já era de se esperar, pelo que se ouviu em seus últimos trabalhos, soa mais acessível. No entanto as canções são puro Zola Jesus, o que significa que ela continua tendo como referência o gótico dos anos 80 (principalmente Siouxsie and the Banshees e Diamanda Galas), mas também certas tendências mais líricas dos anos 90 e synth pop sombrio.

Conatus é o terceiro álbum da cantora, sem contar os vários EP´s e singles, que segunda ela é uma celebração à dança. Antes do lançamento oficial, 04 de outubro de 2011, fomos agraciados por dois singles, “Vessel” e “Seekir”. Ambas as canções mostram que Zola Jesus está cantando bem melhor, mostrando-se bem mais segura – ainda bem que ela desistiu de fazer o álbum totalmente instrumental.

Os sons eletrônicos estão mais refinados e traz arranjos de cordas que só fez com que sua música ficasse mais rica como na maravilhosa “In Your Nature” e “Hikikomori” – sabiam que a música preferida dos Beatles para ela é “Eleanor Rigby”?. A balada ao piano “Skin”, talvez seja a mais bonita de sua carreira até o momento.

Todas as canções de Conatus foram escritas por Zola, enquanto a produção é compartilhada com Brian Foote.


Nika Roza Danilova inventou a identidade de Zola Jesus aos 15 anos, quando resolveu apagar sua identidade original, numa espécie de auto-alienação concedida. Deparou-se com um livro de Emile Zola e pensou que o nome soava bem. Por ser uma combinação incongruente com Jesus, gostou. Afinal Zola e Jesus eram revolucionários, ela costuma justificar.

Passou parte da infância em Phoenix, Arizona, e adolescência em Madison, Wisconsin, antes de se mudar para Los Angeles. Não tinha nada em comum com os adolescentes da sua idade que só ouvia música pop, muitas vezes, entendidas como “alternativas”. Sua sintonia era com seu irmão altista de quem se sentia muito próxima. Para ela, seu irmão tem uma maneira de perceber a realidade bem diferente, um mundo que pertence somente a ele. Mundo esse, que acabou se refletindo em sua música.

Nika estava destinada a seguir uma carreira de cantora de ópera. Estudou canto intensamente por dez anos - começou aos nove anos. Desistiu da ópera e resolveu fazer sua própria música. Ela sempre se sentiu distante do mito sexo, drogas e rock´n´roll. Ela acredita que as pessoas hoje estão desesperadas para se tornarem celebridades. “Elas sonham em ser ricas, mas ficam cada vez mais egoístas enquanto artistas mais criativos e autênticos são normalmente condenados ao anonimato e à marginalidade”. Dostoiévski, Gogol e Turgenev estão entre seus escritores favoritos.

Se você está cansado de cantoras pop excêntricas que não sabem mais o que fazer pra conquistar o público, Zola Jesus é uma boa pedida.

Nenhum comentário: