sexta-feira, 26 de março de 2010

Como um aperto no coração



O Placebo vem ao Brasil mais uma vez, após cinco anos, desta vez incluindo outras cidades que ainda não visitaram, como Belo Horizonte. Nesta recente turnê divulgam o mais novo trabalho, “Battle for the Sun” produzido por David Bottrill, o mesmo que ajudou bandas neo-prog como Tool e Muse a formatarem sua sonoridade ao modo de lendas como Peter Gabriel e King Crimson.

Agora o trio tem um novo baterista, Steve Forrest (ex-Evaline) no lugar de Steve Hewitt, e pelo que se ouve, o rapaz não faz feio. Mas sabemos que a raiz do Placebo está na dupla Brian Molko (vocais, guitarra) e o sueco Stefan Osdal (baixo) que se conheceram em uma escola de Luxemburgo, quando ambos tinham... oito anos de idade! Uma década depois, o acaso fez com que eles voltassem a se cruzar na estação do metrô de South Kensington, em Londres, e a melhor idéia que encontraram para comemorar o reencontro foi a de formar uma banda de rock.

O disco é um dos mais pesados que já fizeram, Brian Molko berra com sua voz ainda à la Geddy Lee (Rush). E continua falando de medos atávicos, suicídio, culpa, vergonha e falha nas letras do Placebo. Ou seja, aquela sensação de aperto no coração continua forte no som do trio.

Quem for aos shows, se prepare para guitarras afiadas, uma cozinha inquieta e a presença marcante do andrógino líder Brian Molko. Glam rock, pós-punk, guitar-bands dos anos 90, tudo junto para sacudir nosso mundo escroto.

2 comentários:

Mary Joe disse...

Bom, fiquei me perguntando ao ler, aonde chegaríamos no aperto no coração...

Ficou muito bom o texto. Provavelmente não irei ao show, mas quem for verá um showzaço.
Beijokas
Mary

Adri disse...

E eu nem acredito que a gente vai ao show juntos!

Placebo é uma das provas de que nem tudo está perdido para o rock!