sexta-feira, 15 de janeiro de 2010

Saudades do Lush



Lush (1988 - 1996) foi uma das bandas mais representativas do chamado movimento Shoegaze, (que significa “olhar para o sapato” - isso porque as bandas se preocuparem muito mais em usar os pedais de efeitos do que qualquer outra coisa. Portanto, ficavam só olhando para baixo)surgido no início dos anos 90 no Reino Unido, junto com o My Bloody Valentine, Ride e Slowdive.

A banda foi formada por Steve Rippon, Anderson Emma, Barham Meriel, Chris Acland e a causa maior de me apaixonar pela banda: Miki Berenyi Nagzumi, uma linda mestiça (mistura de húngara e japonesa) com seus cabelos pintados de vermelho. Barham deixou o grupo logo e desde então a formação permaneceu inalterada até a banda pendurar as chuteiras.

Uma das principais características da música do Lush – o que é evidente em suas primeiras gravações - é a harmônica vocal entre as duas vocalistas Miki e Emma. Com o primeiro EP Scars em 1989, ganham elogios no Reino Unido, enquanto chamam atenção pela a qualidade de seus sets ao vivo. Depois de Scar seguiria mais dois EP's - especificamente Mad Love and Sweetness and Ligh - que seriam inseridos no álbum Gala (1990), época em que o movimento shoegazing estava começando a ocupar as páginas da imprensa.

Spooky (1992) e Split (1994) são igualmente bem recebidos pela crítica. Este segundo, considero seu melhor trabalho porque serviu de ponte entre o som fortemente influenciado pelo Cocteau Twins (Robin Guthrie produzia seus álbuns) e um direcionamento mais pop e direto em Lovelife (1996). No entanto, foi com Lovelife que a banda cativou um público maior. Faixas que saíram em singles como Single Girl e Ladykillers foram um grande sucesso. As músicas ficaram mais redondinhas, com o vocal mais a frente e certa influência do pop dos anos 60.

Tudo andava bem para a banda, até que o baterista Chris Acland foi encontrado enforcado na casa de seus pais - o rapaz sofria de depressão. Com isso, o resto do grupo decidiu encerrar as atividades da banda. Em 2001 aparece "Ciao!", Uma compilação com 18 de seus sucessos, além de Topolino (1998) com gravações raras e versões alternativas.

Emma Anderson formou uma nova banda chamada Sing-Sing. Miki Berenyi, que foi a que ficou mais arrasada com a morte de Acland, pois ele era seu namorado, retirou-se da vida pública e foi trabalhar como editora assistente para a BBC e raramente participa de alguma gravação a convite de alguma banda.



Um comentário:

Mary Joe disse...

Uma pena que tenha acabado, a banda era legal.
As vezes me impressiona a quantidade de artistas que suicidam. Naõ deve ser fácil essa vida artística.
Beijokas
Mary