quarta-feira, 6 de janeiro de 2010

Del Shannon - 1934 / 1990



Del Shannon seria o substituto de Roy Orbison nos Travelling Wilburys, se não tivesse cometido suicídio, com um tiro na cabeça, aos cinqüenta anos no fatídico 08 de fevereiro de 1990. Ele que começou sua carreira nos primórdios do rock, no final da década de 50, estourando em 1961 com seu maior sucesso “Runaway”, Shannon, com seu jeito desengonçado, se impôs cantando a agonia dos traídos, a amargura dos rejeitados. Assim ele reuniu uma legião de fãs que o seguiu até o desfecho trágico.

Em Runaway With Del Shannon (Tarangon Records), o cantor lançou sua pedra fundamental, modernizando o pop com voz áspera e modulações em falsete, seguindo a sinuosidade do musitron (ancestral do sintetizador, pilotado por Max Crook com imaginação). Vários sucessos vieram, "Hats Off To Larry", "So Long Baby", "Hey Little Girl", "Swiss Maid" e "Little Town Flirt". O ex-soldado e vendedor, que viu sua sorte mudar em 60, não o livraram da sanha dos empresários sanguessugas, da canalha invejosa do fisco e da incompetência tirana dos capitães da indústria do entretenimento; os desgastes e perseguições que enfrentou nos bastidores foram cruciais para jogá-lo na depressão.

Depois de produzir hits "Gypsy Woman", para Brian Hyland, e "Baby It´s You", para o grupo Smith (não confundir com The Smiths), e gravar singles para a ABC/Dunhill no final dos anos 60 e transitar por sons psicodélicos, retirou-se para voltar em 73 com o notável LP Live In England pela UA. No início dos 80, voltou às paradas com o LP Drop Down Get Me e o "Sea Of Love", produzidos por Tom Petty.

Curiosidade: A primeira composição de Lennon/McCartney editada nos EUA foi "From Me To You" com Del Shannon, meses antes da versão original (e entrou na parada).



2 comentários:

Adri disse...

Esses artistas têm sempre uma vida tão cheia de tristeza, né? O talento não consegue trazer coisas boas para elas? Isso me deixa triste, sabe?
Em alguns aspectos me lembrou a história do Johnny Cash que também foi ex-soldado e vendedor...

Mary Joe disse...

Engraçado, ouvindo a música, fiquei pensando como o estilo dele me passa aquela inocência doce dos anos dourados. Lamentei pelo fim tragico. Era um bom artista.
Beijokas
Mary