domingo, 26 de julho de 2009

No Line on the Horizon (2009) – U2


Desde Achtung baby, 1991, o U2 não lançava um disco tão bom. Até então, eram apenas discos regulares com algumas boas canções. Lançado em 27 de feveireiro, No line on the horizon, 12º disco de estúdio do U2, recentemente colocou a banda pela décima vez no topo da lista de discos mais vendidos no Reino Unido.
A produção é do trio Brian Eno, Daniel Lanois e St eve Lillywhite. De início a produção seria de Rick Rubin. Talvez por causa do jeitão mandão de Rubin a banda o dispensou. Ainda bem, Rubin não tem nada a ver com U2, costuma sim produzir AC/DC, Skipknot e Metallica. Quanto a Lanois e Eno, produziram os melhores trabalhos da banda. Em dois anos de sessões esparsas, eles gravaram em lugares como: Londres, Nova York, Dublin e Fez (no Marrocos). Daniel Lanois e Brian Eno, produtores de longa data, acompanharam todo o processo e, pela primeira vez, puderam atuar como coautores – foi Lanois quem deu a ideia do coral em Moment of Surrender.
Bono não queria que fosse só mais outro disco no topo das paradas. A conversa inicial foi sobre hinos para o futuro. Portanto, Bono trabalhou duro como sempre nas letras, digitando versão atrás de versão. Há alusões de James Joyce à Bíblia. Magnificent foi inspirada por uma passagem do Evangelho Segundo Lucas. “Toda música para mim é algum tipo de louvor”, diz Bono. E é partindo desse ideia que o próximo álbum será uma espécie de continuação de No Line on the Horizon, planejado para o ano que vem. Bono já sabe o título – Songs of Ascent – e o primeiro single será um hino épico chamado every breaking wave, que foi deixado de fora de No Line; Songs of ascent será mais calmo que o trabalho, garante a Banda.
Brian Eno, que produziu The Joshua Tree, deixou sua marca em todo álbum – os sons de sintetizadores são quase todos dele, e muitas das músicas nasceram de loops atmosféricos que ele grava usando o programa Logic Studio. Moment of Surrender conta a história de uma alma perdida que admite sua impotência diante do vício; Unknown Caller fala sobre ouvir a voz de Deus; Cedars of Lebanon, é sobre um correspondente de guerra preocupado com seus problemas pessoais, refere-se à guerra do Iraque, assunto que Bono evitou muito enquanto precisou trabalhar com Bush e o ex-primeiro ministro inglês Tony Blair nas ações de ajuda à África. “Escolha seus inimigos com cuidado, pois são eles quem o definirão”, diz a letra da canção.
Digam o que quiserem do U2, mas quando eles querem, sabem fazer um belo disco. Isso é bom, porque o Coldplay (que sempre quis ser o novo U2) que mesmo chamando o gênio Brian Eno, não conseguiu chegar nem de longo perto dessa banda que é uma das maiores que já existiu.


http://rapidshare.com/files/260288543/2009_-_No_Line_On_The_Horizon.rar.html

2 comentários:

Adri disse...

Ótimo release! Realmente, o U2 está próximo do brilho que eles já tiveram no passado. Merece o título de uma das maiores bandas do planeta! =D

Mary Joe disse...

U2 é sempre U2. E seu texto arrasa como de costume.
Vc é brilhante Claudio, em seus releases.
Concordo com vc em gênero, número e grau.
Beijim
Mary