quarta-feira, 29 de julho de 2009

Aleister Crowley e o Rock´n´Roll


Há muitas histórias envolvendo o mago Aleister Crowley e artistas do rock. Entre fatos prováveis, boatos e meias-verdades, é certo que o sujeito influenciou muito os artistas. Deixo aqui alguns que foram influenciados por Crowley. Não vou citar as milhares de bandas de Black/Death Metal, porque como o próprio nome do estilo já diz, é óbvio que o homem é visto como um mestre e exerce grande influência. Há aqueles artistas que também apenas citam Aleister em suas letras, como, por exemplo, David Bowie na música Quicksand.

Quem foi Aleister Crowley?
Crowley nasceu em 1875, em Leamington, e morreu em 1947, em Sussex, ambas na Inglaterra. De família rica, teve uma juventude reprimida pela mãe, uma fanática católica que o chamava de "Besta 666" por seu interesse em magia negra e satanismo. Com a herança recebida de uma tia, rodou o mundo, ingressando em diversas ordens secretas e seitas e arregimentando um exército de "convertidos". Apesar de freqüentemente perseguido e sempre andando entre a genialidade e o charlatanismo, conseguiu atrair a atenção de intelectuais como Yeats, Ezra Pound, Dylan Thomas e o famoso encontro com Fernando Pessoa.
Foi membro da antiga Golden Down (Tradição Esotérica Ocidental na qual Hitler fez parte) por dois anos, até ser expulso (alguns dizem que ele apenas a abandonou) e, logo em seguida, entrou para a Ordo Templi Orientis (O.T.O.)
Em 1904, escreve o “Livro da Lei”, que segundo ele próprio, foi ditado por uma presença envolta em sombras que permanecia atrás dele. Esse livro foi o mensageiro do despertar da nova era de Horus, que seria governada pela Lei de Thelema. "Thelema" é a palavra grega que significa "vontade", e a Lei de Thelema é comumente citada como: "Faça o que for da sua vontade". Como profeta desta nova era Crowley passou o resto de sua vida desenvolvendo e estabelecendo a filosofia Thelêmica. Crowley reformulou os rituais da O.T.O. para adaptá-los à Lei do Thelema, e investiu à organização o propósito maior de estabelecer o Thelema no mundo.
Ninguém encontrou seu túmulo, nascendo à lenda de que Aleister não teria morrido; como era possuidor de muita força espiritual, seus seguidores na Europa acreditam que ele anda pelo mundo, buscando mais conhecimento para acrescentar em sua última obra, O Livro de Toth.
Contumaz apreciador de ópio e de outras drogas, pregava a fruição da vida por meio de todos os excessos e a busca da liberdade em experiências místicas, que incluíam orgias, cultos satânicos, matança de animais e eventuais sacrifícios humanos. Tudo em nome de livre consciência, que, segundo ele, poderia derivar tanto para os santos como para os demônios.

Raul Seixas
"Faz o que quiseres, porque tudo é da lei." Esse verso da canção "Sociedade Alternativa", de Raul Seixas e Paulo Coelho, na verdade era o lema de vida de Aleister Crowley, mote com o qual resumia a mensagem - "satânica", segundo alguns - que queria transmitir a seus seguidores, entre os quais Rauzito estava incluído. Raul Seixas foi o artista que mais popularizou a imagem de Crowley no Brasil.

Beatles e John Lennon
Os Beatles já tinham estampado a cara do guru maldito entre as personalidades presentes na capa de Sgt. Pepper’s Lonely Hearts Club Band. Segundo uma suposta declaração Tony Sheridan, cantor que os Beatles acompanhavam no início de sua carreira e que gravaram a maravilhosa My Bonnie, John Lennon lhe confessou: "Sei que os Beatles terão um êxito como nenhum outro grupo teve. Eu o sei exatamente porque, fará isso, vendi minha alma ao diabo"
Uma carta que li uma vez, e que fiquei muito impressionado, de uma menina de 17 anos para uma dessas revistas de música nos anos 80, que se dizia uma grande médium, ela afirmava ter recebido uma mensagem do John Lennon na qual contava que foi Crowley que tinha matado John Lennon usando a mente fraca do pobre coitado do Mark Chapman (os motivos não eram explicados), e que mesmo depois de morto, Crowley ainda tinha uma mente poderosa.

Bobby Beausoleil (da banda psicodélica dos anos 60, Love)
O cineasta (também seguidor de Crowley) Kenneth Anger que, também se dizia mago, tinha a intenção de fazer um filme sobre Satan chamado "Lucifer Rising" e contratou o ex-guitarrista da banda Love, Bobby Beausoleil, para fazer o papel de Lucifer. Após meses de filmagem, aparentemente Beausoleil ficou insano e assassinou com requintes de crueldade uma pessoa, sendo preso, julgado e condenado a prisão perpétua.

Mick Jagger
Também esteve envolvido com o filme “Lucifer Rising” de Kenneth Anger, embora após a morte do músico Bobby Beausoleil, Anger convidou Jagger para interpretar Lúcifer, esse recusou mas aceitou a fazer a trilha sonora. O papel acabou ficando com Anton LaVey, autor de A Bíblia Satânica e líder da Primeira Igreja de Satanás, para representar o papel. O filme foi lançado em 1969 com o título Invocation to My Demon Brother (Invocação ao Meu Demônio-Irmão)

Ozzy Osbourne
Chegou a fazer uma canção em homenagem a ele ("Mr. Crowley") no seu primeiro disco-solo, Blizzard Of Ozz. Na letra da música, Ozzy convida Crowley a passear em seu “cavalo branco”.

Bruce Dickinson
Crowley é um dos ídolos de Bruce Dickinson há muitos anos. A música de Iron Maiden “Revelations” refere-se à afirmação de Crowley de que ele era a “reencarnação do Anti-Cristo”. No disco Seveth Son of a Seveth Son do Iron Maiden, também tem trechos da obra de Mr. Crowley. Bruce também contribuiu com roteiro e trilha sonora para o filme Chemical Wedding, sobre a vida de Crowley. O título também é o mesmo nome do álbum solo de Dickinson de 1998.

Trailer do filme Chemical Wedding


Graham Bond (foi membro das bandas Graham Bond organization, Holy Magic e do grupo Ginger Baker´s Air Force).
Foi um influente músico de R&B. Ele chegou a dizer que era filho de Aleister Crowley, cultivou um esoterismo mórbido que o levou a se jogar sob um metrô Londrino em 1974, aos 37 anos.

Jimmy Page: o mais dedicado
Page foi o que mais levou a sério a pessoa de Crowley. “"Me interessei quando ainda estava no colégio, vi logo que ele não havia sido bem compreendido. Esse papo todo de que ele era o pior homem do século XX é tudo bobagem.” o guitarrista colecionava livros, objetos pessoais e manuscritos de Crowley – chegou a abrir uma loja de artigos de magia e ocultismo, a Equinox. Mas, em 1970, com a ascensão do Led Zeppelin - e a conseqüente entrada de muita grana - vislumbrou uma oportunidade única: comprar a mansão Baleskine, à beira do Loch Ness (lago que, diz a lenda, é habitado por uma serpente pré-histórica), onde Crowley havia vivido por um longo período praticando seus rituais ocultistas.
Page nunca chegou a morar na mansão, mas colocou como caseiro seu amigo, Malcolm Dent, que morou lá até 1991 quando Page resolveu vender o imóvel. Algumas cenas do filme do Led Zeppelin, “The Song Remains the Same” foram feitas na parte de trás da casa. Depois que deixou a mansão, Macolm Dent resolveu contar a diversos jornalistas suas experiências na Boleskine House. Visões, ruídos, invasão de satanistas fanáticos, etc. faziam parte do cotidiano do rapaz, que por diversas vezes pediu para Page que arrumasse outro para o seu lugar, pois ele não agüentava mais tanta assombração.
Em frente à Boleskine House está um cemitério, que segundo moradores mais antigos, era usado por Crowley para rituais satânicos. Tanto que existem nos corredores do cemitério, sinais de rituais, pentagramas desenhados ao lado de sepulturas e inscrições cabalísticas.
Conta-se que a morte do filho de Robert Plant, Karak, morto aos 5 anos, ao contrair uma doença misteriosa e a morte do baterista John Bonhan, fora vários acidentes - como quando Jimmy quebrou todos os ossos de seu pé esquerdo em um acidente de carro -, foram fruto do envolvimento de Page com magia negra.

Vídeo com a letra de Mr. Crowley com Ozzy Osbourne

2 comentários:

Adri disse...

revelações assustadoras, hein? sabia de algumas coisas mas muita coisa foi novidade para mim.
tenho pavor desse cara. nunca fui com a cara dele.
me arrepiou isso do john lennon... credoemcruz!

Mary Joe disse...

Uma excelente revisão sobre o assunto. Gostei muito.

Agora, o que me impressiona é a força que esse tipo de personalidade tem nos outros. Será que ele merecia mesmo ser tão apreciado e homenageado?

Gostei particularmente da parte sobre os Beatles, e achei assustador pensar em algum tipo de envolvimento dele na morte do John Lennon.

E quanto a mansão no Lago Ness, acho que naõ será parte de roteiro de viagem algum meu.
Valeu Claudio, vc é sempre brilhante em seus textos.
Beijokas
Mary