domingo, 15 de março de 2009

Lily Allen - It´s Not Me, It´s You (2009)



Lily Allen troca o ska pelo electro-pop

Lily Allen largou as influências de ska, reggae e pitadas de rap de seu primeiro trabalho Alright, Still. Neste novo álbum, ela partiu para músicas declaradamente electro-pop e quase nada de ska. Na verdade, ela até chegou a chamar o disco de electropop. Isto foi o suficiente para a imprensa cair em cima da moça. A revista Rolling Stone chegou a compará-la à Britney Spears – talvez, por ter feito um cover de Womanizer. Engraçado é que se a moça tivesse reprisado a receita de Alright, recheado de ska e regga, com certeza esses mesmos críticos estariam acusando-a de repetir uma fórmula que deu certo.
It's Not Me, It's You que originalmente chamaria Stuck on the Naughty Step foi lançado no dia 9 de fevereiro de 2009 . E, não tem como resistir ao primeiro single do cd The Fear e I Could Say que lembra as bandas pop suecas como Club 8 e a londrina Saint Etienne.
Parece que Lily já previa as críticas negativas que está recebendo. Em entrevista ela disse se referindo ao novo disco antes de ser lançado, “estou morrendo de medo do que as pessoas vão dizer. Algumas pessoas vão gostar, outras não. Se as pessoas odiarem, então vou experimentar outra coisa. E se o barco de cantora pop afundar, ela já pensou até em que carreira seguirá: “Eu realmente gostaria de ser relações artísticas de uma gravadora. Adoro ir a shows”. Bom, se depender de mim, vai continuar a ser cantora pop.

Curiosidade:
Lily Allen é filha do apresentador de TV Keith Allen, que co-escreveu com o New Order a canção-tema da seleção inglesa de futebol na Copa de 90, World in Motion.



Link:
http://rapidshare.com/files/209534508/Lily_Allen.rar.html

Um comentário:

Adri disse...

Engraçado é que todo mundo que começa com influências de ska e reggae, depois que se estabelecem, mudam de opção. Parece que é uma fórmula pronta de se estabelecer na mídia e achar seu espaço cenário musical tão competitivo...

Eu acho legal que um artista queira experimentar a própria arte e variar, sabe? Não sei se no caso dela dará certo... Isso, o tempo e os fãs é que vão dizer!