segunda-feira, 28 de julho de 2008

China: ostentando seu poder para o mundo


Estamos às vésperas da Olimpíada na China. O país investiu 40 bilhões de dólares e construíram o maior aeroporto do mundo; terá a abertura olímpica mais cara da história: estará oficializando seu status de nova potência global. Parece que estão apenas aproveitando as festas dos jogos olímpicos para mostrar seu poder.
Um país não pode dizer-se rico, quando grande parte da população vive em uma situação contrária. Um país rico não se faz apenas com uma minoria abastada; eles não são a totalidade de um país. Sim, o país vem tendo um grande crescimento econômico - a China é doze vezes mais rica hoje do que 25 anos atrás, e equivale à soma das existentes no Brasil, no México e na Rússia - mas crescimento este, que se canaliza sua riqueza apenas para uma parcela social? Enquanto isto sua população passa por problemas como: desnutrição, grande número da população vive no campo, e há elevado índice de mortalidade infantil. Além de ter as cidades mais poluídas do mundo; 30% do território chinês sofrer com chuvas ácidas, a maioria dos lagos são poluídos, metade da população consomem água que não corresponde aos padrões mínimos da Organização Mundial de Saúde. Cabe lembrar, que a China é um dos países que não assinaram o Protocolo de Kyoto a reduzirem as emissões de gases causadores do efeito estufa. Um país só pode declarar-se rico, quando todos saem ganhando.
Portanto, quando começar as Olimpíadas, não se deixem impressionar com o luxo que verão pela televisão. Não se deixem enganar. Eles querem é impressionar.

Um comentário:

Adri disse...

Você não mencionou a questão da educação. A gente não faz idéia como os chineses realmente pobres sofrem. A TV só mostra o glamour mas não mostra o sofrimento...
Essas coisas me fazem lembrar o mito da caverna. Pretendo falar sobre isso no meu blog daqui um tempo.